terça-feira, dezembro 13, 2011

Preconceito

Ridiculo? Eu sei. Um absurdo? Nem me fale. Mas quem usa facebook já deve ter visto isso:


Bem, acho que dispensa comentários. O tanto de pessoas que estão falando sobre isso já seria o suficiente, mas eu achei interessante trazer o tema à tona. Não estou aqui para xingar ou ofender elas, isso não cabe a mim, acho que a vida vai tratar de ensinar o que elas precisam aprender. Vim para chamar a atenção de vocês, porque iguais a elas, existe milhares. Creio que ninguém tenha o direito de desmerecer ninguém. Todo mundo tem o direito de não gostar de alguma coisa/alguém, mas não tem o direito de ofender, de se achar melhor. Tem apenas que respeitar as diferenças. As palavras machucam e devem ser usadas com cuidado, se não tem nada útil para dizer simplesmente fique quieto. 
Também não quero dar uma de hipocrita, todos temos nossos preconceitos, não precisa ser racial ou regional, pode ser com aquela pessoa que você não conhece muito bem mais já vai logo dizendo que não vai com a cara, ou então se achar melhor do que alguém com um cargo ou classe social diferente da sua. No fundo, todo mundo tem preconceito, que se mostra nas nossas brincadeiras sem graça no dia-a-dia. Ninguém é perfeito, deve-se apenas ter cuidado com suas atitudes. Não faça com o proximo aquilo que não gostaria que fizessem com você.

3 comentários:

Moran, andarilho disse...

Ana ou Raíssa, importante tua preocupação com a desconstrução de preconceitos, segregacionismo e intolerância... e consequente preocupação com a construção de um mundo melhor para vivermos. O que cabe a estas pessoas é a simples percepção de que navegamos na mesma nave, no imenso deste universo, e que precisamos harmonizar e cuidar desta planteta, desta casa. De qualquer forma, há que cuidarmos dos pequenos preconceitos para depois tratarmos dos grandes. Mas reconhecer que precisamos melhorar já é um grande passo. Gostei de aportar aqui. Beijos, Moran

Julia Curi disse...

Tudo bem não gostar de Nordestino, mas falar esses absurdos também não, né?

Raíssa T. Klasman disse...

É isso aí, Carol, falou 'literalmente' tudo e na lata. Preconceito já é uma m*rda, ter preconceito com "regionalismo" é pior ainda. Ok, eu sou mato-grossense, por isso sou taxada de pantaneira? Injusto pra caramba! A Carol é Baiana, e a gente se identifica, o que significa que não é porque ela é de um lugar e eu de outro que a gente vai divergir. Esse tipo de 'mente' tem que viver um tempo (sendo obrigada a conviver) com os tais "raladores de mandioca" pra aprender a dar valor aos dentes, antes que a vida os quebre.

Postar um comentário